Pontanus - Epístola sobre o fogo mineral
Este foi primeiro impresso em latim, em 1600, e um número de edições foram emitidas durante o século 17. Este breve texto parece ter sido de especial interesse para os alquimistas Ingleses. Esta tradução foi transcrita de Cheiragogia Heliana. Uma manudução ao ouro mágico do filósofo ... Para o qual é adicionado ... caverna de Zoroastro, ou, um eco intelectual, & c. Juntamente com a famosa epístola católica de João Pontanus sobre o fogo minerall. Por Geo. Thor. Astromagus. Londres 1659.
Back to Portuguese section.

João Pontanus sobre o fogo mineral; e o Elixir Grande, comumente chamado de "A Pedra Filosofal".

Eu João Pontanus tenho viajado por várias regiões, com a finalidade de aprender algo que tinha certeza sobre a pedra dos filósofos e, percorrendo quase todo o mundo, encontrei-me com ninguém, mas com impostores, enganadores falsos, e nenhum filósofo: Mas sempre estudando, duvidando muito, e atirando para todos os lados, finalmente eu encontrei a verdade: mas quando eu soube da matéria, errei duas centenas de vezes antes de encontrar a verdadeira matéria, com a operação e prática sobre ela. Primeiro, eu declinei para putrefazer a matéria nove meses juntos, e não encontrei nada: eu coloquei-a em banho Maria, durante um certo tempo, e errei como antes. Depois de três meses eu coloquei-o em fogo de calcinação, e inapropriadamente forjado: todos os tipos de destilações e sublimações, como os filósofos, como Geber, Arquelau, e quase todo o resto, digamos, ou que parecem dizer, deveria ser usado, eu praticava e não achei nada ainda. Então outra vez eu tentei aperfeiçoar o assunto de toda a arte alquímica, todos os caminhos que se pode imaginar, por banhos, por estrumes, por cinzas, e uma multiplicidade de outros fogos, que ainda são encontrados nos livros de filósofos, e ainda por cima eu não encontrei nada de bom. Portanto, por três anos consecutivos, estudei livros dos filósofos, mas principalmente as obras de Hermes sozinho, cujas palavras curtíssimas compreendem a pedra inteira, embora ele fale obscuramente do Superior e do Inferior, do Céu e da Terra. O primeiro instrumento, portanto, que traz a questão para seu Esse no primeiro, segundo e terceiro trabalho, não é o fogo do banho, nem de esterco, nem cinzas, nem de outros fogos que os filósofos têm em seus livros. O que, portanto, é esse fogo que aperfeiçoa todo o trabalho desde o início até o fim? Certamente os filósofos sempre o esconderam, mas eu, movido de piedade e bondade aos homens, irei declarar-lhe, juntamente com o complemento de todo o trabalho. Esse é, portanto, a pedra filosofal, mas é chamado por vários nomes, e tu acharás que é difícil saber: porque é aguado, arejado, ígneo e terroso, fleumático, colérico e melancólico, é sulfuroso, e é também prata viva: e tem muitas coisas supérfluas nele: todos os que, pelo Deus vivo, são transformados em uma essência verdadeira, nosso fogo de mediação: E aquele que separa qualquer coisa do sujeito pensante que é necessário, não sabe nada de filosofia, porque tudo o que é supérfluo, imundo, sujo ou impuro, finalmente toda a substância do tema é aperfeiçoado para um corpo espiritual fixo, por mediação de nosso fogo. E isso os Filósofos nunca revelaram e, portanto, poucos vêm a arte, pensando que há alguma tal natureza supérflua a ser removida. E agora estamos preparados para tirar as propriedades do nosso fogo, e tentar, se de acordo com a maneira que eu tenha dito, isso seja montado para nossa matéria, que pode ser transmutado por ele, desde que o fogo queima não a matéria, não separa nada dele, parte não o puro do impuro (como todos os filósofos dizem), mas transforma a matéria inteira em pureza: ele não sublima como Geber faz suas sublimações e como Arnoldus, e outros falando de sublimação e destilação, tais como são aperfeiçoadas em um curto espaço de tempo.

É mineral, é igual, é contínuo, ele não vaporiza para longe a não ser que seja mexido muito, ele também participa do enxofre, e é retirado de algum outro lugar da matéria, que derruba tudo, se dissolve e congela, e calcina: a invenção disso é artificial: ela é um compêndio sem custo, ou com muito pouco, e que o fogo é de uma ignição moderada, pois com um fogo negligente toda a obra é aperfeiçoada, e todas as corretas sublimações feitas. Quem quer que tenha lido Geber, e todo o resto, se eles deveriam viver cem mil anos, não seriam capazes de compreendê-lo, porque o fogo é encontrado apenas pela imaginação profunda, e então ele pode ser compreendido nos livros, e não antes . O erro, portanto, desta arte, não é encontrar o fogo, que transforma a matéria inteira na verdadeira Pedra Filosofal. Leve-o então para o teu estudo, pois se eu tivesse encontrado esse fogo no início, eu não teria errado duzentas vezes na minha prática sobre o assunto: por isso eu não me pergunto por que tantos e grandes espíritos não vêm ao trabalho. Eles erram, erraram e vão errar ainda, porque os filósofos não têm fixado o agente adequado; uma única exceção, Artephius pelo nome, mas ele fala por si mesmo, e se eu não tivesse lido Artephius e ouvido o que ele disse, eu nunca teria atingido o trabalho perfeito. Mas esta é a prática. Pegue-o, machuque-o, e derrube-o diligentemente pela contrição natural, e coloque-o ao fogo, e saiba a proporção do fogo, ou seja, que não deve ser mais forte do que apenas para excitar a matéria, e em pouco tempo até mesmo aquele fogo, sem qualquer oposição das mãos, certamente vai concluir o trabalho todo, porque ele vai apodrecer, corromper, gerar e aperfeiçoar, e fazer com que apareçam em seus tempos as três principais cores, preto, branco e vermelho. E, por mediação de nosso fogo, o remédio será multiplicado se ele se juntar com a matéria bruta, não só em quantidade, mas também em virtude. Portanto, com todo o teu olhar poderoso depois de teu fogo, e tu podes prosperar em teu trabalho, porque ele faz todo o trabalho, e é a chave dos filósofos que nunca descobriram. Mas tu virás a conhecê-lo por um pensamento correto, profundo sobre as propriedades do fogo estabelecido antes, e não há outras maneiras. Isso eu tenho escrito por piedade, e que eu possa satisfazer-te finalmente; o fogo não é transmutado com a matéria, porque não é da matéria, como eu lhe disse antes. Isto é muito que eu tinha em mente para dizer, e admoestar os prudentes, que não gastem o seu dinheiro sem nenhum propósito, mas que eles deveriam saber o que estão procurando, e assim eles podem alcançar a verdade e nenhum outro caminho.
Alchemical texts


16th Century
Practical alchemy
Philosophical alchemy

17th Century
Practical alchemy
Philosophical alchemy

18th Century
Practical alchemy
Philosophical alchemy

Alchemical poetry

Alchemical allegories

Works of Nicolas Flamel
Works of George Ripley
Works of Sendivogius
Theatrum Chemicum Britannicum
Emerald tablet of Hermes
Rosicrucian texts
Literary works
Texts from Musaeum Hermeticum

Spanish alchemical texts
German alchemical texts
French alchemical texts
Russian alchemical texts